Troféu Wintermantel | Regata Walter Brash 2021 – Lisboa-Sesimbra-Lisboa

A Associação Naval de Lisboa, com a colaboração do Clube Naval de Sesimbra, ARVC e FPV, anunciam a realização do Troféu Wintermantel e Regata Walter Brash, nos próximos dias 24 e 25 de Abril de 2021.

As provas estarão abertas às classes ORC e ANC.

Todas as informações e inscrições estão disponiveis no nosso site em https://anl.pt/vela/regatas-vela/trofeu-wintermantel-walter-brash-2021

Regata dos Solitários ANL 2021

Com a publicação do Decreto de Lei 6/2021 de 3 de Abril, a Associação Naval de Lisboa retomou o seu calendário de cruzeiros e por isso teremos todo o gosto em anunciar a realização da Regata dos Solitários ANL 2021, no próximo dia 18 de abril de 2021, com o apoio da FPVela e ARVCentro, aberto para a embarcações de cruzeiro da classe ANC, em solitário!

Toda a documentação, informação e inscrições já estão disponíveis no nosso site (aqui).

Aguardamos a presença de todos!

 

Regata de Natal 2020

Realizou-se hoje a regata costeira incluída no programa da prova. O vento teve altos e baixos, durante o percurso que ligou Belém e Cabo Ruivo com regresso a Belém, para as divisões da ORC e ANC A, e Belém e o Cais do Sodré, com regresso a Belém, para as restantes divisões da ANC, mas foi a corrente quem maior dificuldade causou às tripulações e organização.
Na classe ORC o GIULIETTA, de Alexandre Kossack (CNC), foi o vencedor da regata e da respectiva geral! Na divisão ORC B o WHO’S NEXT, de Gonçalo Saraiva Mendes (ANL) venceu a prova de hoje, seguido do BAMAK, de Rodrigo Vargas Zuñiga (CNL) e do ALMA DO MAR, de João Bitoque (SAD). Na geral ORC B o WHO’S NEXT vence com um pleno nas três regatas disputadas, seguido do ALMA DO MAR e do BAMAK, segundo e terceiro respectivamente.
A classe ANC A foi liderada desde o início pelo RATIONAL-GERMAN KITCHENS, de Miguel Graça (CNC), seguido do 2HOT2HANDLE, de António Correia (CVS) e do CARAPAU, de Bernardo Dias Pinheiro (CNOCA). Já na divisão B o ITALA, de Mário Franchi (SAD) foi o grande vencedor, superiorizando-se ao SÃO JOSÉ, de José Motta Veiga (PYC), que terminou no segundo posto. Na divisão E o ALTA PRESSÃO, de Susana Albiero (ANL) teve uma vitória clara, mesmo em tempo real. Nesta divisão de Sportboats da ANC, o SETE MARES, de Luis Soares (SAD) terminou no segundo posto, seguido do RESSAKA, de João Raimundo.
Na geral ANC-E, contando com a regata técnica disputada ontem o ALTA PRESSÃO foi o vencedor, seguido do SETE MARES e a fechar o pódio ficou o BARBA RIJA, de Alexandre Toscanelli (ANL), que embora tenha abandonado a regata de hoje, o segundo lugar na técnica de ontem foi suficiente para quebrar o desempate com o RESSAKA.
Hoje foi um dia complicado para a divisão D, e após cerca de duas horas, a Comissão de Regatas decidiu abandonar a prova dado que nenhuma embarcação iria terminar dentro do tempo limite de 3 horas em tempo real (o possível face aos condicionamentos do Estado de Emergência).
Resta-nos felicitar os vencedores e todos os participantes e desejar (com algum avanço) um Feliz Natal e um regresso em grande para todos em 2021!

Lisboa rendeu-se ao encanto do Remo de Mar

Primeira edição da Lisboa Coastal Regatta mostrou nova modalidade do remo

A nova modalidade do remo encaixa como uma luva nas águas muitas vezes agitadas do estuário do Tejo. Com barcos capazes de resistir à ondulação, o remo de mar mostrou todo o seu potencial na primeira edição da Lisboa Coastal Regatta. Uma competição no Tejo que antecipa o Campeonato do Mundo de Remo de Mar, que se realizará em Portugal, em 2021.

É a mais nova modalidade reconhecida pela Federação Internacional de Remo (FISA), é candidata a integrar os Jogos Olímpicos e está a dar os primeiros passos no nosso país. O remo de mar veio para ficar e está a mobilizar os clubes e os praticantes, como ficou provado no último fim de semana durante a primeira edição da Lisboa Coastal Regatta.

A iniciativa foi da Associação Naval de Lisboa e contou com o apoio da Federação Portuguesa de Remo, Câmara Municipal de Lisboa e Administração do Porto de Lisboa. Uma centena de atletas de diferentes escalões etários, dos jovens aos veteranos, fez-se às águas do estuário do Tejo. O campo de regatas estabeleceu um percurso com partida e chegada junto à Ponte 25 de Abril, com 1500 metros para cumprir entre boias. A forte ondulaçã0 colocou à prova a capacidade dos remadores, proporcionando imagens inéditas no Tejo.

A organização desta competição implicou medidas especiais de acordo com as normas de segurança e higiene validadas pela Direção Geral da Saúde. A ausência de público, a medição da temperatura corporal a todos os participantes, o uso permanente de máscara e o distanciamento físico foram as principais medidas implementadas.

A Lisboa Coastal Regatta contou com a participação de sete clubes: Associação Naval de Lisboa, Clube Naval de Lisboa, Clube Ferroviário de Portugal, Luso Futebol Clube, Clube Naval Barreirense, Nova Rowing Club e Grupo Desportivo Fabril. A ANL dominou, vencendo sete das 14 regatas disputadas.

 

CRÉDITOS Paulo Calisto/Free Lance Comunicação

Senhoras lideraram equipas no Rio Tejo

Realizou-se hoje o Troféu Rainha D. Amélia 2020 que contou com 25 embarcações à largada!
A previsão não era favorável devido a vento fraco e chuva, ainda assim o vento compareceu e foi possível cumprir a regata para todas as divisões!
No final a Divisão A foi liderada pelo WINE DECK (ANL), capitaneado por Mafalda Pires de Lima, seguido do ALTITUDES 2, com Maria Camelo ao leme e por último o BLU (CVL), comandado por Cristina Domingos.
Na Divisão B a vitória sorriu ao COMPLOT II (ANL), de Rita Xavier Diaz, seguido do FENGSHUI (ANL), com Margarida Carvalho e a fechar o pódio ficou o BABSEA (ANL) liderado por Joana Montalvão e Silva.
A Divisão D foi liderada pelo O PATO (CTM), de Diana Baptista, seguido do SUNRUNNER (CVT), de Maria Cristóvão e a fechar o pódio ficou o BLANGAI (CNL), com Felisbela Fonseca ao leme.
Por último, na Divisão E o RESSAKA (SAD), liderado por Ana Catela, superiorizou-se ao MASTY III (CSP), de Ozíria Vieira, e ao ALTA PRESSÃO (ANL), de Susana Albiero.
Parabéns às vencedoras, e suas tripulações, e a todos os participantes!

Troféu Rainha D. Amélia 2020

A Associação Naval de Lisboa anuncia a realização do Troféu Rainha D. Amélia 2020 no próximo dia 14 de Novembro de 2020, sábado.
Esta prova tem a particularidade das embarcações terem que ser capitaneadas por Timoneiras, tal como fazia a Rainha D. Amélia no seu yacht “Lia”!
⚠️Atenção, a hora da primeira largada do dia está marcada para as 10h00⚠️
Inscrições e informações disponíveis no nosso site em https://anl.pt/vela/regatas-vela/trofeu-rainha-damelia-2020/

Campeonato Nacional de Yole juntou em Lisboa 250 remadores

REMO HISTÓRICO MANTÉM CHAMA NO TEJO

 

Num dia com condições difíceis devido ao vento forte e ondulação, os históricos barcos de remo da classe Yole fizeram-se ao Tejo para manter viva uma tradição com quase dois séculos. Com sete clubes envolvidos e 250 atletas, a jornada foi dominada pela Associação Naval de Lisboa.

 

Embora praticamente sem chuva, a ediçã0 2020 do Campeonato Nacional de Yole realizou-se este fim-de-semana em condições climatéricas bastante desafiantes. O vento forte de sul e a ondulação colocaram à prova a técnica e capacidade de superação dos remadores, mostrando que os barcos históricos da classe Yole continuam a fazer parte integrante da paisagem de Lisboa e do Tejo, mantendo viva uma tradição com quase 200 anos.

 

Com a participação de sete clubes de todo o país e um total de duas centenas e meia de atletas, a competição decorreu no estuário do Tejo, com o campo de regatas a ligar o MAAT à Ponte 25 de Abril numa extensão total de mil metros. Barcos com quatro e oito remadores deslizaram assim nestas águas agitadas envolvendo praticantes das categorias de Juvenis, Seniores e Veteranos.

 

Resultando de uma colaboração entre a Federação Portuguesa de Remo e a Associação Naval de Lisboa, a organização deste campeonato implicou medidas especiais de acordo com as normas de segurança e higiene validadas pela Direção Geral da Saúde. A ausência de público, a medição da temperatura corporal a todos os participantes, o uso permanente de máscara e o distanciamento físico entre as equipas garantiram uma jornada desportiva sem sobressaltos.

No final, a Associação Naval de Lisboa dominou a pontuação por clubes (208 pontos), à frente da Associação Académica de Coimbra (79,5 pontos) e do Clube Ferroviário de Portugal (48,5 pontos). A este troféu, a ANL juntou ainda a conquista do título na prova rainha, o Yole de 8 sénior masculino.

.::Resultados::.

.::Fotos::.

 

Cerca de oito dezenas de embarcações coloriram o rio

Realizou-se ontem mais uma edição do Troféu Porto de Lisboa, que contou com oito dezenas de embarcações a abrilhantar o Rio Tejo!
O dia previa-se triste e cinzento, mas das previsões meteorológicas apenas ficou o vento, proporcionando um excelente dia de vela a todos os participantes!
Numa luta bastante renhida, o CARAPAU, de Bernardo Dias Pinheiro (CNOCA), superiorizou-se ao 2HOT2HANDLE, de António Tanger Correia (CVS) levando a vitória por 1 segundo apenas!! A fechar o pódio da Divisão A ficou o WINE DECK, de José Sabido (ANL) a menos de 1 minuto do segundo classificado!
Na Divisão B o DJANGO ONE, de Jorge Alves (CVS) foi o vencedor confortável! Nos lugares seguintes, em mais uma luta em monotipia, o ALCHEMIST, de Nuno Alves (SAD), superiorizou-se ao COMPLOT II, de Raul Xavier (ANL) por escassos 14 segundos!
A Divisão D compareceu em peso, com 17 embarcações à largada! O PATO, de José Almeida (CTM) foi o grande vencedor seguido do BLANGAI, de José Penaforte (CNL) e do Alegro de Gonçalo Menezes (CVT).
Já na Divisão E, a vitória sorriu ao SETE MARES, de Luis Soares (SAD), seguido do BARBA RIJA, de Alexandre Toscanelli (CVT) e do ALTA PRESSÃO, de Paulo Paixão (CSP).
A cerimónia de encerramento irá decorrer no próximo dia 11 de Novembro, pelas 11 horas na Gare Marítima de Alcântara, numa cerimónia “à porta fechada” mas onde será feito o sorteio dos dois prémios de 6 e 3 meses de amarração gratuita!
A Associação Naval de Lisboa agradece ao Porto de Lisboa a confiança na organização do seu troféu e esperamos que para o ano já voltemos a reunir todos os participantes, organização e patrocinadores no habitual convívio!
Resultados das equipas ANL:
Divisão A
3º WINE DECK, José Sabido
4º WHO’S NEXT, Gonçalo Mendes
5º PARDAL, João Pardal Monteiro
7º CARIOCA, Eduardo Guimarães Marques
9º BLU, Pedro Soveral Rodrigues
11ª IDEIA FIXA, Fernando Barros
12º SAIL4US, José Carlos Bismark
16º GIANZO, João Tiago Silveira
18º HARFANG, Jaime Roque
22º HARFANG SPIRIT, Nuno Alexandre
Divisão B
3º COMPLOT II, Raul Xavier
7º BABSEA, Alexandre Couto
8º FENG SHUI, Rui Carvalho
10º TIRO, Nuno Barreto
11º GROOVY, Filipe Alfaro
12º PALOMINO, João Barracho
Divisão E
5º AZORES, André Martins

Secção de Vela e Motonáutica da ANL assina memorando de entendimento com Clube de Vela do Tejo

Foi hoje assinado, durante a cerimónia de entrega de prémios do Campeonato Nacional de Yole, o Memorando de Entendimento entre a secção de Vela da Associação Naval de Lisboa (ANL) e o

Clube de Vela do Tejo (CVT) que visa a integração dos atletas e sócios do CVT na ANL.

A assinatura do documento foi oficializada pelo Comodoro da ANL, Dr. Fernando Nogueira, juntamente com os Vice-Comodoros e presidentes da secção de Vela e da secção de Remo, Eduardo Guimarães Marques e Luis Reis, e pelos diretores do CVT Miguel Vieira, Gabriel Baptista Fernandes e Alexandre Toscanelli, que oficialmente integrarão os corpos dirigentes da Secção de Vela e Motonáutica, na presença do Vereador do Desporto, Dr. Carlos Castro, e do Administrador do Porto de Lisboa, Dr. Ricardo Medeiros.

Com o presente memorando, a ANL reforça o seu grupo de atletas e equipas de competição, que neste mo

mento ascende aos 60 atletas ativos, bem como a sua componente técnica reforçando a equipa de treinadores certificados pela FPV.

Campeonato Nacional de Yole – Remo clássico no dia 7 de Novembro

REVIVER A TRADIÇÃO NAS ÁGUAS DO TEJO

 

Mantendo uma tradição centenária no estuário do Tejo, a Associação Naval de Lisboa organiza no próximo dia 7 de novembro o Campeonato Nacional de Yole. Esta competição de remo em barcos históricos de quatro e oito atletas mobiliza clubes de todo o país.

 

Os barcos de remo fazem parte da paisagem de Lisboa há quase dois séculos. Para mostrar toda a vitalidade desta vertente mais tradicional da modalidade, a Associação Naval de Lisboa organiza no próximo dia 7 de novembro (sábado) mais uma edição do Campeonato Nacional de Yole, que contará com a presença de equipas de todo o país. Tendo em conta a atual pandemia, a organização

Lisboa Classic Regatta

irá implementar todas as medidas recomendadas pela Direção Geral da Saúde, convidando o público a acompanhar as regatas através das redes sociais do clube (anl1856).

A competição, em barcos de quatro e oito remadores (Yole de 4 e Yole de 8), é apoiada pela Câmara Municipal de Lisboa e vai ter lugar na Pista da Junqueira, em Lisboa, com largada junto ao MAAT e chegada por baixo da Ponte 25 Abril. Trata-se de um desafio de velocidade, com uma extensão total de 1000 metros, que será disputado a favor da corrente. Participam sete clubes de todo o país, totalizando cerca de duas centenas e meia de remadores.

Lisboa Classic Regatta

As primeiras regatas a remos no estuário do Tejo datam do início do século dezanove, ditando o desenvolvimento de um desporto que foi introduzido em Portugal por influência da comunidade britânica residente na Capital. Toda esta dinâmica decorreu em paralelo com o estabelecimento da vela como modalidade competitiva, criando a massa crítica necessária ao nascimento das primeiras coletividades desportivas dedicadas à náutica. Foi este

o caso da Real Associação Naval, que nasceu em 1856 com o objetivo de fomentar a prática da vela e do remo. Cento e sessenta e quatro anos depois, o mais antigo clube náutico da Península Ibérica – que, entretanto, mudou de nome para Associação Naval de Lisboa – mantém o mesmo espírito.

Originalmente fabricados em madeira, num sistema de sete tábuas de mogno ou cedro sobrepostas, os barcos da classe Yole quase enfrentaram a extinção no nosso país. Graças à dinâmica da Associação Naval de Lisboa, estes barcos não desapareceram, verificando-se hoje uma adaptação destes cascos às novas tecnologias, com o recurso à fibra e ao carbono.

Lisboa Classic Regatta